SAÚDE
Saúde da Família

A Estratégia Saúde da Família (ESF) visa à reorganização da atenção básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde, e é tida pelo Ministério da Saúde e gestores estaduais e municipais como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da atenção básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica, de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades.

Um ponto importante é o estabelecimento de uma equipe multiprofissional (equipe de Saúde da Família – eSF) composta por, no mínimo: (I) médico generalista, ou especialista em Saúde da Família, ou médico de Família e Comunidade; (II) enfermeiro generalista ou especialista em Saúde da Família; (III) auxiliar ou técnico de enfermagem; e (IV) agentes comunitários de saúde. Podem ser acrescentados a essa composição os profissionais de Saúde Bucal: cirurgião-dentista generalista ou especialista em Saúde da Família, auxiliar e/ou técnico em Saúde Bucal.

Cada equipe de Saúde da Família (eSF) deve ser responsável por, no máximo, 4.000 pessoas, sendo a média recomendada de 3.000 pessoas, respeitando critérios que atendam as necessidades da população. Recomenda-se que o número de pessoas por equipe considere o grau de vulnerabilidade das famílias daquele território, sendo que, quanto maior o grau de vulnerabilidade, menor deverá ser a quantidade de pessoas por equipe.

Ações da Equipe de Saúde da Família

O CSF atende uma determinada região, isto é, pessoas que vivem dentro de um espaço determinado.

Conhecendo assim, cada família pode auxiliar sempre em seu tratamento de saúde, desde o recém-nascido até o idoso, sendo mais fácil saber diagnosticar e cuidar das doenças que afetam aquela população.

  • A equipe do CSF, realiza cadastramento das famílias pelos Agentes Comunitários de Saúde que são orientadores da saúde ligados diretamente à população;
  • Cada Agente comunitário de Saúde deve fazer 1 visita no mínimo por mês a cada família.
  • Consultas médicas, de enfermagem e com dentista para crianças, adolescentes, gestantes, mulheres no pós-parto, idosos, homens e mulheres.
  • Visitas domiciliares pelo médico, enfermeiro, auxiliar ou técnico de enfermagem, dentista e auxiliar de Saúde Bucal;
  • Verificação de pressão arterial, glicemia capilar, inalações, injeções, teste do pezinho, retirada de pontos e curativos;
  • Distribuição de medicamentos;
  • Coleta de exames laboratoriais;
  • Papanicolau
  • Palestras e grupos educativos com a comunidade;
  • Atendimento em escolas, praças, igrejas, centros comunitários e demais espaços da comunidade.